SACO INVEST

Fórum da Saco Invest
 
HomeHome  FAQFAQ  SearchSearch  RegisterRegister  MemberlistMemberlist  UsergroupsUsergroups  Log in  

Share | 
 

 A "culpa" é do FMI

View previous topic View next topic Go down 
AuthorMessage
gastaoss



Number of posts : 440
Registration date : 2007-07-01

PostSubject: A "culpa" é do FMI   Thu Sep 20, 2007 9:58 pm


A "culpa" é do FMI

Lula tem boas razões para comemorar duas levas estatísticas divulgadas
pelo IBGE na semana passada. O PIB do segundo trimestre cresceu 5,4% e
dados da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) revelaram
avanços sociais consideráveis, principalmente na aquisição de bens e
redução das desigualdades.

Uma análise mais fria, porém, mostra que o Brasil está apenas
recuperando um tempo perdido. Lentamente, volta a um patamar de renda e
emprego de quase uma década atrás --dos anos áureos que se seguiram ao
lançamento do Plano Real (1994).




Isso é muito melhor do que nada, já que poderíamos ainda estar no
fundo do poço em que FHC nos meteu ao final de seus oito anos de
governo. Lula merece todos os louros pela recuperação? Sim e não.

No final, parece mesmo que a grande sorte do Brasil e do governo
Lula foi exatamente não ter tido um plano consistente para a economia
brasileira quando assumiu o governo em 2003.

Uma breve recapitulação dos fatos que fizeram a sociedade brasileira
perder uma década à toa, por incompetência tucana e verborragia inútil
petista:

O Plano Real de 1994 foi um dos mais brilhantes programas de
estabilização e de combate à inflação do mundo. Sua implementação a
médio e longo prazos, no entanto, exigia esforços que FHC não fez:
economizar dinheiro público e, aos poucos, "descongelar" o câmbio que
mantinha a paridade R$ 1 = US$ 1 (a paridade era importante no início
para estimular a importação e conter os preços internos).

Mas ao longo de todo o primeiro mandato, FHC foi extremamente
leniente com as contas públicas. Aumentou barbaramente os gastos e não
economizou. Ao contrário, fez crescer a carga tributária e elevou o
endividamento do país ao mesmo tempo em que vendia patrimônio estatal
(Vale do Rio Doce, Usiminas, telefônicas etc.). Isso tudo para
sustentar o chamado "populismo cambial" que o ajudou a se reeleger.
Afinal, até a empregada do presidente podia passar férias em Miami...

No final de 1998, a conta chegou. O Brasil quebrou e FHC recorreu ao
FMI (Fundo Monetário Internacional). Tomou emprestado US$ 41,5 bilhões
em algumas parcelas (US$ 9,3 bilhões na primeira).


Meses depois, em fevereiro de 1999 e já reeleito, o governo FHC
proporcionou uma das cenas mais servis e deprimentes em relação ao FMI
jamais vista. Em entrevista coletiva em Brasília, o então número 2 do
Fundo, Stanley Fischer, ditou as regras, em inglês, que o Brasil
deveria obedecer para ter o resto do dinheiro. O então ministro da
Fazenda de FHC, Pedro Malan, mais escutou do que falou.

04.fev.99/AFP





Em 1999, o número 2 do FMI, Stanley Fischer, diz o que o Brasil deve fazer com sua economia
Basicamente, o FMI exigiu que o governo fizesse o básico: que
economizasse e gastasse menos. Sob a "tutela do Fundo", foi o que o
Brasil fez, atravessando períodos difíceis de turbulência internacional
até a eleição de 2002.

Com Lula liderando as pesquisas, as coisas pioraram rapidamente. O
Brasil ainda estava quebrado, o dólar subia sem parar, e investidores
internacionais saíam o mais rápido possível do país, secando as
reservas em dólares no Banco Central.

Lula costuma dizer que foi FHC quem quebrou novamente o país em
2002. Mas o que investidores internacionais podiam pensar de uma turma
que dizia coisas do tipo?:

"O FMI não existe para ajudar o país ou o povo. Existe para ajudar os credores e impor ajustes fiscais" - Lula em 21.set.98.

"Queremos a imediata expulsão (de Lorenzo Perez, representante do Fundo em visita ao Brasil)" - José Dirceu em 11.fev.01.

Isso em um país que afundava e que só podia contar com uma bóia, o FMI.

Em agosto de 2002, com o valor do dólar explodindo, e as reservas
cambiais secando assustadoramente, FHC consegue milagrosamente mais US$
30 bilhões do tão criticado FMI. Para tentar acalmar a finança interna
e externa, o então presidente também reúne-se separadamente com os
candidatos Lula, Ciro Gomes, Garotinho e Serra. Arranca deles um
compromisso de manter as regras do jogo (e da economia de gastos)
combinadas com o Fundo.

Sérgio Lima - 09.mai.02/Folha Imgem


Em 2002, Ciro, Lula, Garotinho e Serra vão a FHC e garantem que mantêm a política do Fundo

Algumas semanas depois, Lula venceria a eleição.

Os bons resultados da semana passada anunciados pelo IBGE talvez não
existissem não fosse um terrível acontecimento nas hostes petistas: o
assassinato, no início de 2002, do então prefeito de Santo André e
coordenador do programa de Lula, Celso Daniel (um quadro mais
comprometido com a tagarelice vazia do PT em relação a temas como o
FMI).

A morte de Daniel levou Lula a substituir a coordenação de seu
programa de governo. Entra em cena Antônio Palocci, um político e
médico que não entendia muito de economia, mas disposto a aprender
--para sua sorte e de todos nós.

Nos primeiros meses de 2003, o primeiro ano de Lula, Palocci e sua
equipe, incluindo o então secretário do Tesouro, Joaquim Levy, foram
incontáveis vezes a Washington. Viviam na cidade. Destino: o número 700
da rua 19 da capital americana --o prédio cinza do FMI.


Na mesma época, em entrevistas semanais nesse prédio, a imprensa
ouvia a mesma ladainha da boca do porta-voz do FMI, Thomas Dawson. O
Brasil fazia, com louvor e até exageros, a lição de casa que o FMI
exigia. Pela primeira vez, houve um alinhamento em direção à ortodoxia.

Em ordem cronológica e simplificada, essa é mais ou menos a história
recente da estabilização da economia brasileira. O que os dados da PNAD
mostraram é que, em termos de renda e emprego, só agora estamos
começando a voltar aos patamares dos melhores anos da década passada.
Mais uma vez, perdemos um tempo enorme.

A maior novidade é que talvez o Brasil tenha aprendido a lição. Não
é mais possível se descuidar do lado fiscal, do equilíbrio das contas
públicas e do controle da inflação. Com ou sem a "tutela do FMI",
expressão que não passa de conversa mole de quem não sabe cuidar da
própria casa.

Alan Marques - 10.jan.06/Folha Imagem



Rodrigo de Rato, chefe do FMI, em reunião com Lula, Palocci e Meirelles, presidente do BC



Fernando Canzian, 40, é repórter especial da Folha. Foi
secretário de Redação, editor de Brasil e do Painel e correspondente em
Washington e Nova York. Escreve semanalmente, às segundas-feiras, para
a Folha Online.

E-mail: fcanzian@folhasp.com.br
Back to top Go down
View user profile
 
A "culpa" é do FMI
View previous topic View next topic Back to top 
Page 1 of 1
 Similar topics
-
» CSE-CSBA, CSE-SEC meetings today and also Sri Lanka SEC looking "favourably" at broker credit
» IF THERE WILL BE A SPLIT OF "CFLB"WHAT PRICE IT'LL HIT
» Morning Definition - 11/07/2011 "Scalping"
» Capital Trust "ATRAD"online trading system
» "N" & "X" shares of the same company...

Permissions in this forum:You cannot reply to topics in this forum
SACO INVEST :: SACO INVEST-
Jump to: